Novas tecnologias amadurecem setor de seguros

Novas tecnologias amadurecem setor de seguros

Na última semana foi realizada mais uma edição do InsureTech Connect (ITC), maior evento de seguros e inovação do mundo, em Las Vegas.

Participantes brasileiros informaram ao Valor Economico que muitos mitos relacionados à inovação caíram por terra nos últimos anos. Um exemplo é o fim da intermediação. “O discurso de que o canal de corretores iria acabar com a chegada do digital não se confirmou”, afirmou o fundador da plataforma CQCS e chairman do ITC Latam, Gustavo Doria Filho. “Ao contrário, vários anos depois, agora só se fala de distribuição humanizada. O que seria o futuro virou passado.”

Para o cofundador e CEO da plataforma de soluções digitais de marketing e venda de seguros Zipia, Pedro Yue, “a visão do mercado evoluiu para a ideia de que a tecnologia vai mesmo empoderar a ponta de distribuição”.

O diretor operacional de corporate da administradora e subscritora de seguros Livonius MGA, Marcio Uberti, acrescenta que as ferramentas digitais vão aumentar a capacidade e trazer uma subscrição mais inteligente para os canais. “Na prática, é a intermediação que vai fazer a diferença para a agilidade e a criação de produtos mais ajustados às necessidades dos clientes”, afirmou.

Há sete anos, quando o ITC surgiu, o mundo vivia um entusiasmo trazido por tecnologias emergentes que prometiam mudar tudo no setor financeiro.

As fintechs se tornaram símbolos de um movimento que destronaria grandes e ineficientes conglomerados. Na maior convenção global de inovação e seguros, o sentimento era parecido. As palavras mais ouvidas entre 2016 e 2018 eram disrupção e desintermediação.

A área de exposição do ITC, na qual insurtechs de 58 países expõem seus modelos de negócios, exibia uma profusão de soluções que beiravam o futurismo, como atendimento de sinistros feito por drones, mapeamento a laser de propriedades ou monitoramento de construções por meio de sensores. Era uma visão baseada, em boa parte, na melhora de produtos específicos, como seguro auto, de propriedades e grandes riscos.

Segundo o curador do CQCS Insurtech & Innovation, Heitor Ohara, que participa do evento desde a segunda edição, no início havia muitos painéis sobre blockchain, por exemplo. Na edição deste ano, o tema apareceu em apenas uma apresentação.

O motivo para essa redução não tem a ver com nenhuma frustração sobre a tecnologia. As soluções baseadas no conceito por trás das criptomoedas ainda são vistas como úteis em áreas como contratos, segurança de informações e na automação de alguns processos.

No entanto, diferente do que acontece em segmentos como pagamentos digitais, o blockchain tende a ter impacto menos “revolucionário” sobre a indústria securitária.

Com o amadurecimento da visão sobre o efeito da transformação tecnológica para o setor, a ideia de que as startups de seguro iriam causar uma disrupção no mercado passou a dar lugar a outros conceitos, como parcerias e análise de dados. A própria evolução de algumas insurtechs emblemáticas, como a americana Lemonade, trouxe lições importantes.

A companhia surgiu em 2015 com uma visão de revolucionar a indústria de seguros por meio da oferta de produtos digitais e venda direta ao consumidor com uso de aplicativos.

De alguns anos para cá, a Lemonade tem se mantido firme na missão de ter o consumidor no centro do negócio, mas ajustou o discurso sobre desintermediação.

Passou a adotar o serviço de corretores, por exemplo, para manter seu crescimento. A ideia de eliminar a intermediação, na verdade, transformou-se no conceito de multicanalidade ou omnicanalidade — ou seja, o acesso às proteções e assistências por qualquer formato e meio de distribuição que beneficie o cliente. “Assuntos que estavam na moda há alguns anos desencantaram e hoje o mercado volta a atenção para os canais”, avaliou o conselheiro da Meta Brasil, Julio Cezar Pauzeiro. “As insurtechs amadureceram”, afirmou o CEO da provedora de sistemas para seguros Sistran, Marcio Paes.

“Com ajuda do investimento qualificado do venture capital, os modelos evoluíram em termos de visão, consistência, escalabilidade e arquitetura”, acrescentou.

Dentro dessa visão, tem ficado mais disseminado no setor o conceito de “embedded”, ou seja, seguros embutidos ou invisíveis.

São proteções que vêm junto na compra de produtos ou serviços, como eletrodomésticos ou viagens.

“As APIs [protocolos para interligação de sistemas] são muito boas para tirar fricção e criar transparência, e a ‘apeificação’ [uso intensivo de aplicativos] do mercado vai ajudar a disseminar ainda mais os seguros embutidos”, afirmou o fundador do ITC e investidor de venture capital, Caribou Hoenig.

Para que os modelos de negócios centrados no consumidor possam se tornar realidade na indústria, são necessários dados, muitos dados. Quase todos os painéis do ITC trouxeram em maior ou menor grau a visão de que a verdadeira transformação da indústria de seguros virá por meio dos dados.

A ideia é que um mundo novo de automação, redução de custos, aumento da velocidade de ação e reação e, sobretudo, de entendimento das necessidades das pessoas em termos de proteção e assistência vai se abrir com a correta utilização de ferramentas como inteligência artificial e aprendizado de máquinas.

Na visão de especialistas, são os dados que vão levar o setor a essa nova era de customização e atendimento em tempo real, como pagamentos instantâneos. No entanto, participantes brasileiros da conferência, entre altos executivos de seguradoras e representantes de corretoras, ressaltaram haver ainda um “gap” entre discurso e prática.

Existe ainda uma barreira que muitas companhias mais antigas têm adiado ao máximo enfrentar: a própria infraestrutura legada de TI. De acordo com o chefe da operação na América Latina da Earnix, Ricardo Lachac, “em geral, as seguradoras [mais antigas] costumam apresentar estrutura de tecnologia inflexível, com uma miríade de sistemas legados e várias plataformas diferentes operando para obter apenas um fim específico”.

Conforme o especialista, o cenário mais comum é que as empresas tenham bolsões de dados separados, com informações dispersas e, muitas vezes, conflitantes.

Para o investidor Hoenig, a combinação de forças faz todo sentido em um mercado altamente regulado e complexo. “As insurtechs têm velocidade, foco e cultura de tomar risco, enquanto incumbentes têm força, experiência e dados.” Na visão de um executivo brasileiro que pediu para não ser identificado, “seguro não é business de consumo, então o cara novo precisa do antigo, e o antigo, do novo”.  


Mais notícias


Vídeos em destaque!

Nossos Patrocinadores